I CoríntiosSelecionar outro livro


Capítulo 1 de 16

1Paulo, apóstolo de Jesus Cristo por chamado e vontade de Deus, e o irmão Sóstenes,

2à igreja de Deus que está em Corinto, aos fiéis santificados em Jesus Cristo, chamados à santidade, juntamente com todos os que, em qualquer lugar que estejam, invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Se­nhor deles e nosso;

3a vós, graça e paz da parte de Deus, nosso Pai, e da parte do Senhor Jesus Cristo!

4Não cesso de agradecer a Deus por vós, pela graça divina que vos foi dada em Jesus Cristo.

5Nele fostes ricamente contemplados com todos os dons, com os da palavra e os da ciência,

6tão solidamente foi confirmado em vós o testemunho de Cristo.

7Assim, enquanto aguardais a manifestação de nosso Senhor Jesus Cristo, não vos falta dom algum.

8Ele há de vos confirmar até o fim, para que sejais irrepreensíveis no dia de nosso Senhor Jesus Cristo.*

9Fiel é Deus, por quem fostes chamados à comunhão de seu Filho Jesus Cristo, nosso Senhor.

10Rogo-vos, irmãos, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que todos estejais em pleno acordo e que não haja entre vós divisões. Vivei em boa harmonia, no mesmo espírito e no mesmo sentimento.

11Pois acerca de vós, irmãos meus, fui informado pelos que são da casa de Cloé, que há contendas entre vós.

12Refiro-me ao fato de entre vós se usar esta linguagem: “Eu sou discípulo de Paulo; eu, de Apolo; eu, de Cefas; eu, de Cristo”.*

13Então, estaria Cristo dividido? É Paulo quem foi crucificado por vós? É em nome de Paulo que fostes batizados?

14Graças a Deus, não batizei nenhum de vós, à exceção de Crispo e Gaio.

15Assim ninguém poderá dizer que fostes batizados em meu nome.

16(Aliás, batizei também a família de Estéfanas. Além destes, não me cons­ta ter batizado ninguém mais.)

17Cristo não me enviou para batizar, mas para pregar o Evangelho; e isso sem recorrer à habilidade da arte oratória, para que não se desvirtue a cruz de Cristo.

18A linguagem da cruz é loucura para os que se perdem, mas, para os que foram salvos, para nós, é uma força divina.

19Está escrito: Destrui­rei a sabedoria dos sábios, e anularei a prudência dos prudentes (Is 29,14).

20Onde está o sábio? Onde o erudito? Onde o argumentador deste mundo? Acaso não declarou Deus por loucura a sabedoria deste mundo?

21Já que o mundo, com a sua sabedoria, não reconheceu a Deus na sabedoria divina, aprouve a Deus salvar os que creem pela loucura de sua mensagem.*

22Os judeus pedem milagres, os gregos reclamam a sabedoria;

23mas nós pregamos Cristo crucificado, escândalo para os judeus e loucura para os pagãos;

24mas, para os eleitos – quer judeus quer gregos –, força de Deus e sabedoria de Deus.

25Pois a loucura de Deus é mais sábia do que os homens, e a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens.*

26Vede, irmãos, o vosso grupo de eleitos: não há entre vós muitos sábios, humanamente falando, nem muitos poderosos, nem muitos nobres.*

27O que é estulto no mundo, Deus o escolheu para confundir os sábios; e o que é fraco no mundo, Deus o escolheu para confundir os fortes;

28e o que é vil e desprezível no mundo, Deus o escolheu, como também aquelas coisas que nada são, para destruir as que são.

29Assim, nenhuma criatura se vangloriará diante de Deus.

30É por sua graça que estais em Jesus Cristo, que, da parte de Deus, se tornou para nós sabedoria, justiça, santificação e redenção,

31para que, como está escrito: quem se gloria, glorie-se no Senhor (Jr 9,23).*