I CoríntiosSelecionar outro livro


Capítulo 14 de 16

1Empenhai-vos em procurar a caridade. Aspirai igualmente aos dons espirituais, mas sobretudo ao de profecia.

2Aquele que fala em línguas não fala aos homens, senão a Deus: ninguém o entende, pois fala coisas misteriosas, sob a ação do Espírito.

3Aquele, porém, que profetiza fala aos homens, para edificá-los, exortá-los e consolá-los.

4Aquele que fala em línguas edifica-se a si mesmo; mas o que profetiza, edifica a assembleia.

5Ora, desejo que todos faleis em línguas, porém muito mais desejo que profetizeis. Maior é quem profetiza do que quem fala em línguas, a não ser que este as interprete, para que a assembleia receba edificação.

6Suponhamos, irmãos, que eu fosse ter convosco falando em línguas, de que vos aproveitaria, se minha palavra não vos desse revelação, nem ciência, nem profecia ou doutrina?

7É o que se dá com os instrumentos inanimados de música, por exemplo a flauta ou a harpa: se não produzi­rem sons distintos, como se poderá reconhecer a música tocada?

8Se a trombeta só der sons confusos, quem se preparará para a batalha?

9Assim também vós: se vossa língua só profere palavras ininteligíveis, como se compreenderá o que dizeis? Sereis como quem fala ao vento.

10Há no mundo grande quantidade de línguas e todas são compreensíveis.

11Porém, se desconhecer o sentido das palavras, serei um estrangeiro para quem me fala e ele será também um estrangeiro para mim.*

12Assim, uma vez que aspirais aos dons espirituais, procurai tê-los em abundância para a edificação da Igreja.

13Por isso, quem fala em línguas, peça na oração o dom de as interpretar.

14Se eu oro em virtude do dom das línguas, o meu espírito ora, mas o meu entendimento fica sem fruto.*

15Então, que fazer? Orarei com o espírito, mas orarei também com o entendimento; cantarei com o espírito, mas cantarei também com o entendimento.

16De outra forma, se só renderes graças com o espírito, como dirá “Amém” a tuas ações de graças aquele que ocupar o lugar dos simples?

17Sem dúvida, as tuas ações de graças podem ser belas, mas o outro não é edificado.

18Graças a Deus que possuo o dom de línguas superior a todos vós.

19Mas prefiro falar na assembleia cinco palavras que compreendo, para instruir também os outros, a falar dez mil palavras em línguas.

20Irmãos, não sejais crianças quanto ao modo de julgar: na malícia, sim, sede crianças; mas quanto ao julgamento, sede homens.

21Na Lei está escrito: Será por gente de língua estrangeira e por lábios estrangeiros que falarei a este povo; e nem assim me ouvirão, diz o Senhor (Is 28,11s).

22Assim, as línguas são sinal, não para os fiéis, mas para os infiéis; enquanto as profe­cias são um sinal, não para os infiéis, mas para os fiéis.

23Se, pois, em uma assembleia da igreja inteira todos falarem em línguas, e se entrarem homens simples ou infiéis, não dirão que estais loucos?

24Se, porém, todos profetizarem, e entrar ali um infiel ou um homem simples, por todos é convencido, por todos é julgado;

25os segredos do seu coração tornam-se manifestos. Então, prostrado com a face em terra, adorará a Deus e proclamará que Deus está realmente entre vós.

26Em suma, que dizer, irmãos? Quando vos reunis, quem dentre vós tem um cântico, um ensinamento, uma revelação, um discurso em línguas, uma interpretação a fazer – que isso se faça de modo a edificar.

27Se há quem fala em línguas, não falem senão dois ou três, quando muito, e cada um por sua vez, e haja alguém que interprete.

28Se não houver intérprete, fiquem calados na reunião, e falem consigo mesmos e com Deus.

29Quanto aos profetas, falem dois ou três, e os outros julguem.

30Se for feita uma revelação a algum dos assistentes, cale-se o primeiro.

31Todos, um após outro, podeis profetizar, para todos aprenderem e serem todos exortados.

32O espírito dos profetas deve estar-lhes submisso,

33porquanto Deus não é Deus de confusão, mas de paz.

34Como em todas as igrejas dos santos, as mulheres estejam caladas nas assembleias: não lhes é permitido falar, mas devem estar submissas, como também ordena a lei.

35Se querem aprender alguma coisa, perguntem-na em casa aos seus maridos, porque é inconveniente para uma mulher falar na assembleia.

36Porventura foi dentre vós que saiu a Palavra de Deus? Ou veio ela tão somente para vós?

37Se alguém se julga profeta ou agraciado com dons espirituais, reconheça que as coisas que vos escrevo são um mandamento do Senhor.

38Mas, se alguém quiser ignorá-lo, que o ignore!

39Assim, pois, irmãos, aspirai ao dom de profetizar; porém, não impeçais falar em línguas.

40Mas faça-se tudo com dignidade e ordem.